CLIMA SISTEMAS AMBIENTAIS METEOROLÓGICOS 1

Information about CLIMA SISTEMAS AMBIENTAIS METEOROLÓGICOS 1

Published on October 23, 2007

Author: Jolene

Source: authorstream.com

Content

C L I M A:  C L I M A I – INTRODUÇÃO : SABEMOS QUE EM TUDO NESSA VIDA, PARA SE TER O MELHOR RESULTADO, DEVEMOS CONSIDERAR COMO UM FATOR BÁSICO, ISTO É, UM ESTUDO CLIMÁTICO AMBIENTAL, EM CONFORTO E SEGURANÇA BÁSICAMNTE. - AMBIENTE DOMÉSTICO - AMBIENTE PÚBLICO - AMBIENTE DE TRABALHO - AMBIENTE DE LAZER E DESCANSO COMO SE PODE SER FELIZ E EFICIENTE, SE EM UM DESSES AMBIENTES ACIMA, ENCONTRARMOS DESCONFORTO E INSEGURANÇA ? C L I M A:  C L I M A II–O QUE SE ENTENDE POR CLIMA ? - COMO ESTÁ O CLIMA AÍ ?????? Esta é uma pergunta muito comum e cotidiana entre nós, e que define até como um início de conversa. MAS S S S S !..!....! No nosso objetivo técnico, C L I M A, não é nada disso, não é nesse âmbito mas sim em termos de um longo tempo cronológico. C L I M A:  C L I M A III – ESTUDO TÉCNICO DO CLIMA Vamos estudar de agora então tudo que se refere a CLIMA de forma mais direta. CLIMA é nada mais que uma média de todas as informações de dados passados e vividos num intervalo de tempo em no mínimo TRINTA ANOS. Só assim é que técnicamente podemos estipular e definir e caracterizar um clima local, regional e global.¨ De acordo com a OMM, vale de 30 a35 anos de observações ¨ Para isso, envolvemos todos os dados de TEMPERATURA, CHUVAS E EVENTOS ANORMAIS . C L I M A:  C L I M A III.1 – EVENTOS: Todos os dados referenciados anteriormente, são compilados estatisticamente, e as previsões se baseiam em probabilidades de repetição de ocorrências, isto é as tendências de novamente acontecer durante algum período cronológico, e assim é uma forma ou maneira de se precaver e evitar muitos infortúnios principalmente em termos de conforto e segurança principalmente do ser humano e porque não do ecossistema e meio ambiente. Muitos planos de contingência são infundados em probabilidades e tendências de acontecimentos. C L I M A:  C L I M A III.2 – CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS : Quando se trata de parâmetros básicos, de uma certa região, muitas definições já estão caracterizados dado a estabilidade ambiental, mas, além do cotidiano, o tempo cronológico faz com que por força do desenvolvimento e do progresso, visando a base do conforto, sempre expandindo tendenciosamente, a uma parte da região, começa a interferir e influenciar nos dados climáticos, e quando menos se espera, eventos anormais começam a acorrer, até de forma catastrófica, atingindo assim de forma direta o ecossistema até então em equilíbrio. Slide6:  III.2–SÉCULO XXI – AQUECIMENTO GLOBAL: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ! Um alerta muito importante se deu de forma geral a partir de quando evidenciou-se as tendências de que a continuar com um desenvolvimento sem dar tréguas ao meio ambiente, o nosso Planeta Terra tenderia a um colapso, foi quando nasceu aqui no BRASIL em 1992 o ¨ ECO 92 ¨ . que através de um tratado de compromisso com o meio ambiente, criou-se um tema muito difundido que é o conhecido como ¨DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL¨ e o protocolo de ¨ KYOTO ¨. Aqui no BRASIL, há tempos existe dentro da legislação, o que conhecemos como ¨ LEI AMBIENTAL ¨ , e em muitos municípios existem o policiamento ambiental, e também o MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. O BRASIL E A CONVENÇÃO DO CLIMA:  O BRASIL E A CONVENÇÃO DO CLIMA Assembléia Geral das Nações Unidas estabeleceu, em seu período de sessões de 1990, o Comitê Intergovernamental de Negociação para a Convenção Quadro sobre Mudança do Clima (CIN/CQMC), ao qual encomendou a redação de uma convenção quadro, assim como de qualquer instrumento jurídico relacionado que fosse considerado necessário. Slide8:  Pouco tempo depois, 155 países firmaram a Convenção na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, conhecida com o nome de "Cúpula da Terra" (RIO/92), que foi realizada no Rio de Janeiro em junho de 1992. Desde então, a Convenção vem sendo firmada por outros Estados e ratificada por um crescente número de países. Slide9:  A Convenção entrou em vigor em 21 de março de 1994, tres meses após, a 50ª ratificação. O Brasil foi o primeiro país que assinou a Convenção-Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima em 4 de junho de 1992 e o Congresso Nacional a ratificou em 28 de fevereiro de 1994. A Convenção entrou em vigor para o Brasil em 29 de maio de 1994, no nonagésimo dia após a ratificação pelo Congresso Nacional. CLIMA MUNDIAL:  CLIMA MUNDIAL A melhor classificação, atualmente, para temperaturas é a feita por W. Köpen. Na terra há, em geral, não levando em contas fatores e diferenças regionais, 5 divisões. Estas divisões são feitas em uma grande escala. CLIMA NA ÁFRICA:  CLIMA NA ÁFRICA HÁ PREDOMINIO DE CLIMA MUITO QUENTE. NA REGIÃO CENTRO-OESTE, NA REGIÃO DO CONGO, O CLIMA É DO TIPO EQUATORIAL MUITO SEMELHANTE COM O DA AMAZÔNIA ISTO É, QUENTE E CHUVOSO. NA REGIÃO CENTRAL NAS ADJACÊNCIAS DO TROPICO DE CAPRICÓRNIO PREDOMINA-SE O CLIMA TROPICAL COM CHUVAS DEFINIDAS NAS ESTAÇÕES CLIMÁTICAS DO ANO PREDOMINANDO SEMPRE UM CLIMA QUENTE. Slide13:  AO NORTE NA REGIÃO DO SAARA, O CLIMA É DESÉRTICO E QUENTE, DURANTE O INVERNO, A TEMPERATURA TEM QUEDA DURANTE A NOITE COM VALORES PRÓXIMOS A 0°C, E NO PERÍODO DA TARDE É BEM ALTA, E NO VERÃO COM TEMPERATURAS ACIMA DE 45°C. A OESTE NA NAMÍBIA E ANGOLA ENCONTRA-SE O DESERTO DE KALAHARI CUJAS TEMPERATURAS SÃO AMENAS DEVIDO A AÇÃO DE UMA CORRENTE MARÍTIMA FRIA QUE ABRANGE A COSTA DESTA REGIÃO COM TEMPO SECO, PORÉM MENOS QUE NO SAARA. AO SUL, NOS PLANALTOS COM ALTITUDE SUPERIOR A 1000 METROS PREDOMINA O CLIMA SUBTROPICAL COM TEMPERATURAS SEM EXTREMOS DE CALOR OU FRIO ( ESTÁVEIS ). Slide14:  SAARA KALAHARI CLIMA NAS AMÉRICAS:  CLIMA NAS AMÉRICAS PELO FATO DO CONTINENTE AMERICANO SE ESTENDER DESDE O EXTREMO DO HEMISFÉRIO SUL ATÉ O EXTREMO DO HEMISFÉRIO NORTE, APRESENTA UMA GRANDE DIVERSIDADE DE CLIMAS. EXISTEM 3 ÁREAS DESÉRTICAS; O DESERTO DO ATACAMA NO CHILE, SENDO ESTE A REGIÃO . MAIS SECA DO CONTINENTE, O NORTE DO MÉXICO E SUDOESTE DOS ESTADOS UNIDOS E UMA PEQUENA PORÇÃO DA REGIÃO DA PATAGÔNIA, NA ARGENTINA Slide17:    O NORDESTE DO BRASIL E TODO O OESTE AMERICANO TEM CLIMA SEMI ÁRIDO. NA AMÉRICA CENTRAL E NA FLORESTA AMAZÔNICA, AS CHUVAS SÃO ABUNDANTES DURANTE PRATICAMENTE TODO O ANO COM TEMPERATURAS ALTAS EM TODAS AS ESTAÇÕES. AS TEMPERATURAS MAIS BAIXAS ESTÃO NO CANADÁ ONDE CERTAS ÁREAS SÃO INABITADAS PELO RIGOR DO FRIO. A REGIÃO DA TERRA DO FOGO, SUL DA ARGENTINA E CHILE, O FRIO É MAIS REGULAR E NÃO CHEGA A SER EXTREMO COMO OCORRE NO CANADÁ. Slide18:  NO CENTRO-LESTE DOS ESTADOS UNIDOS OS INVERNOS SÃO BASTANTE FRIOS E O VERÃO É BEM QUENTE. NA COSTA OESTE DOS ESTADOS UNIDOS E NA CORDILHEIRA DOS ANDES O CLIMA É SEMELHANTE, APESAR DE SEREM DE RELEVOS COMPLETAMENTE DIFERENTE. NAS ALTITUDES MÉDIAS DOS ANDES OS INVERNOS SÃO FRIOS, MAS SEM EXTREMOS, E O VERÃO TEM TEMPERATURAS AMENAS. EM SÃO FRANCISCO USA, POR EXEMPLO O VERÃO TEM MÉDIA DE 15°C E O INVERNO DE 10°C, ASSIM COMO BOGOTÁ COL ONDE O VERÃO TEM MÉDIA DE 14°C E O INVERNO DE 11°C. N E V E S:  N E V E S AS NEVES PREVALECEM NAS ALTITUDES DOS ANDES (ONDE A NEVE É ETERNA),  EM TODO O CENTRO-NORTE DOS ESTADOS UNIDOS DURANTE O INVERNO E PARTE DO OUTONO, CANADÁ DURANTE INVERNO, OUTONO E ATÉ MESMO EM ALGUNS DIAS DA PRIMAVERA E NO SUL DA ARGENTINA E CHILE DURANTE O INVERNO, COM EXCEÇÃO DA TERRA DO FOGO NO EXTREMO SUL, ONDE PODE NEVAR ATÉ MESMO NO VERÃO.  MAPA DAS AMÉRICAS:  MAPA DAS AMÉRICAS Á S I A:  Á S I A DEVIDO AO IMENSO TERRITÓRIO O CONTINENTE ASIÁTICO TAMBÉM TEM UMA GRANDE DIVERSIDADE DE CLIMA. SEU RELEVO MONTANHOSO E UMA GRANDE ÁREA AFASTADA DOS MARES E OCEANOS AJUDAM PROPORCIONAM AO LONGO DO TEMPO UM CLIMA COM CARACTERÍSTICAS EXTREMAS. AO NORTE, NA REGIÃO DA SIBÉRIA NA RÚSSIA, ESPECIALMENTE AS QUE SE LOCALIZAM ALÉM DO CIRCULO POLAR ÁRTICO, COM CLIMA POLAR DE TEMPERATURAS EXTREMAMENTE BAIXAS E CHUVAS REGULARES. Slide23:  NO ORIENTE MÉDIO E EM PARTE DA MONGÓLIA HÁ UM CLIMA DESÉRTICO E SECO, ONDE NA MONGOLIA A SUA GRANDE DISTÂNCIA DO OCEÂNO E SEU RELEVO ACIDENTADO, FAZEM QUE O CLIMA SEJA BEM RIGOROSO COM TEMPERATURAS BAIXAS E EXTREMAS. JÁ NO ORIENTE MÉDIO, ESPECIALMENTE NO IRÃ E AFEGANISTÃO, HÁ UMA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA MUITO GRANDE DE UMA ESTAÇÃO PARA OUTRA, TENDO REGIÕES ONDE A TEMPERATURA PODE VARIAR DE -30°C NO INVERNO A 40°C NO VERÃO. Slide24:  AO NORTE DA ÍNDIA, TIBET E OESTE DA CHINA, A CORDILHEIRA DO HIMALAIA DEVIDO A EXTENSÃO E ALTITUDE PREVALECEM MUITO FRIO E NEVES. NA MAIOR PARTE DA CHINA O CLIMA É MAIS TEMPERADO COM ESTAÇÕES BEM DEFINIDAS.  NO SUDESTE ASIÁTICO, O CLIMA VARIA DE TROPICAL A EQUATORIAL COM CHUVAS ABUNDANTES E TEMPERATURAS ALTAS. NA ÍNDIA O REGIME DAS MONÇÕES FAZ COM QUE AS CHUVAS SEJAM BEM DEFINAS NAS DUAS ESTAÇÕES, UMA MUITO SECA E OUTRA MUITO CHUVOSA. AS TEMPERATURAS VARIAM DE -60°C NA RÚSSIA ATÉ 50°C NA ÁREA CENTRAL DA ARÁBIA SAUDITA. M A P A D A Á S I A:  M A P A D A Á S I A E U R O P A:  E U R O P A O CLIMA EUROPEU NÃO APRESENTA GRANDES VARIAÇÕES DE UMA REGIÃO PARA OUTRA. É BASICAMENTE CONSTITUÍDO POR 4 TIPOS. DESDE O NORTE DA ESPANHA ATÉ O LESTE DA RÚSSIA PASSANDO POR INGLATERRA, FRANÇA E ALEMANHA, ALÉM DOS PAÍSES MENORES AO REDOR ENCONTRA-SE UM CLIMA TEMPERADO COM INVERNOS FRIOS E VERÕES AMENOS SEM APRESENTAR UMA ESTAÇÃO SECA E OCORRÊNCIAS DE NEVE NO INVERNO. Slide28:  APENAS NO NORTE DA ITÁLIA, SUÍÇA BOA PARTE DO OESTE DA ÁUSTRIA E PEQUENAS PORÇÕES DE OUTROS PAÍSES AO REDOR, HÁ UM CLIMA FRIO NO ANO INTEIRO POR SER UMA REGIÃO DE ALPES E MONTANHAS. JÁ NA REGIÃO DO MEDITERRÂNEO QUE ENVOLVE DESDE PORTUGAL, PASSANDO POR ITÁLIA ATÉ A GRÉCIA, ENTRE OUTROS, O CLIMA NÃO É TÃO RIGOROSO. OS INVERNOS NÃO SÃO TÃO FRIOS COMO NO TIPO TEMPERADO, MAS MESMO ASSIM APRESENTA TEMPERATURAS MAIS BAIXAS, NÃO CHEGANDO A REGISTRAR NEVE FREQÜENTEMENTE. NESTE TIPO CLIMÁTICO OS VERÕES SÃO BASTANTE QUENTES E SECOS COM CHUVAS NO OUTONO. Slide29:  NA SUÉCIA, FINLÂNDIA, NORUEGA E EM GRANDE PARTE DO TERRITÓRIO RUSSO DA PARTE EUROPÉIA O CLIMA É CONSIDERADO FRIO COM INVERNOS RIGOROSOS E COM MUITA NEVE E VERÕES BRANDOS SEM ALTAS TEMPERATURAS COM CHUVAS REGULARES AO LONGO DO ANO. NA PARTE MAIS CENTRAL DA RÚSSIA, UCRÂNIA, POLÔNIA E DEMAIS PAÍSES DO LESTE EUROPEU O CLIMA É BEM MARCADO PELA CONTINENTALIDADE COM EXTREMOS, TANTO NO INVERNO COM TEMPERATURAS BAIXÍSSIMAS, COMO NO VERÃO, QUE APESAR DE CURTO, É BEM INTENSO. Slide30:  APESAR DA LATITUDE BAIXA, A EUROPA É BENEFICIADA PELO MOVIMENTO DAS MASSAS DE AR E CORRENTES MARÍTIMAS. A INGLATERRA, QUE ESTÁ BEM AO NORTE, NÃO TEM UM CLIMA MUITO RIGOROSO, EM FUNÇÃO DE UMA CORRENTE MARÍTIMA QUENTE, QUE AMENIZA AS TEMPERATURAS, TANTO NO INVERNO COMO NO VERÃO. UM VENTO QUENTE VINDO DO SUL BENEFICIA AS PARTES ALTAS DA ÁUSTRIA, SUÍÇA E PAÍSES PRÓXIMOS, ONDE DEVERIA SER FRIO QUASE QUE O ANO INTEIRO, PORÉM DURANTE PRIMAVERA/VERÃO HÁ TEMPERATURAS BEM MAIS TÍPICAS DA ESTAÇÃO, O QUE PROVOCA TAMBÉM O DEGELO DAS MONTANHAS M A P A D A E U R O P A:  M A P A D A E U R O P A

Related presentations


Other presentations created by Jolene

Smart Dust and Micro Robots
07. 01. 2008
0 views

Smart Dust and Micro Robots

2509 9h20 kessler usoinseguro
02. 05. 2008
0 views

2509 9h20 kessler usoinseguro

whats driving emerging markets
27. 09. 2007
0 views

whats driving emerging markets

Barrie Peter Pan Text Only
12. 10. 2007
0 views

Barrie Peter Pan Text Only

rutherford winterjohnson
13. 10. 2007
0 views

rutherford winterjohnson

chap3 2
16. 10. 2007
0 views

chap3 2

IntroDNACloningDNARep
16. 10. 2007
0 views

IntroDNACloningDNARep

MOAC204
17. 10. 2007
0 views

MOAC204

nile hydrology
23. 10. 2007
0 views

nile hydrology

12 HACCPJuiceSeafood French
24. 10. 2007
0 views

12 HACCPJuiceSeafood French

politiques Sant Boi Pere Dorca
24. 10. 2007
0 views

politiques Sant Boi Pere Dorca

thomson
15. 10. 2007
0 views

thomson

climate change and poverty
29. 11. 2007
0 views

climate change and poverty

botnet underground economics
04. 12. 2007
0 views

botnet underground economics

Macroevolution
12. 10. 2007
0 views

Macroevolution

Roman Religion powerpoint
29. 10. 2007
0 views

Roman Religion powerpoint

2268Atakan
31. 10. 2007
0 views

2268Atakan

Banned Books
31. 10. 2007
0 views

Banned Books

Bob
01. 11. 2007
0 views

Bob

Week 3 DW Design Kimball
07. 11. 2007
0 views

Week 3 DW Design Kimball

STILLEHAVSKRIGEN3
13. 11. 2007
0 views

STILLEHAVSKRIGEN3

enhancing osh standards
14. 11. 2007
0 views

enhancing osh standards

ELISA 2004
12. 10. 2007
0 views

ELISA 2004

Climate McBean f
21. 10. 2007
0 views

Climate McBean f

PP 08 Conditioning
16. 11. 2007
0 views

PP 08 Conditioning

Ontologies in Bioinformatics
20. 11. 2007
0 views

Ontologies in Bioinformatics

laminas centroamÃrica
22. 10. 2007
0 views

laminas centroamÃrica

1World War II
23. 12. 2007
0 views

1World War II

NOAA Fisheries NMFS
28. 12. 2007
0 views

NOAA Fisheries NMFS

ClassDay4
31. 12. 2007
0 views

ClassDay4

ENGR310 1 07
03. 01. 2008
0 views

ENGR310 1 07

PAN Villarreal
22. 10. 2007
0 views

PAN Villarreal

gpr
05. 01. 2008
0 views

gpr

hansen
29. 10. 2007
0 views

hansen

3 El Hattab Ahamed
25. 10. 2007
0 views

3 El Hattab Ahamed

marrocos2
24. 10. 2007
0 views

marrocos2

NWS Partnering
05. 10. 2007
0 views

NWS Partnering

Lyster
16. 10. 2007
0 views

Lyster

webcast1
29. 10. 2007
0 views

webcast1

Chicago
15. 10. 2007
0 views

Chicago

Faridah Noor Indian Dance New
23. 11. 2007
0 views

Faridah Noor Indian Dance New

xmm UG 051606
28. 11. 2007
0 views

xmm UG 051606

ISOM7
15. 10. 2007
0 views

ISOM7

Thermocouple
16. 02. 2008
0 views

Thermocouple

Gubler
21. 10. 2007
0 views

Gubler

test5
30. 10. 2007
0 views

test5

pit 2
26. 02. 2008
0 views

pit 2

m6 Eyler
28. 02. 2008
0 views

m6 Eyler

PSCM
07. 03. 2008
0 views

PSCM

pfl powerpoint may06
10. 03. 2008
0 views

pfl powerpoint may06

Prasa2001
13. 03. 2008
0 views

Prasa2001

PresentationANALYSTE SSNI2006
24. 10. 2007
0 views

PresentationANALYSTE SSNI2006

Perine I2 22april04
16. 03. 2008
0 views

Perine I2 22april04

Panel B Igor Hansen
20. 03. 2008
0 views

Panel B Igor Hansen

kapil kaul
25. 03. 2008
0 views

kapil kaul

part1 intro
07. 10. 2007
0 views

part1 intro

ans1 ffa program
03. 04. 2008
0 views

ans1 ffa program

Jonah
07. 04. 2008
0 views

Jonah

051208 Osawa
09. 10. 2007
0 views

051208 Osawa

3arq
18. 10. 2007
0 views

3arq

Bourgeat Siam
06. 12. 2007
0 views

Bourgeat Siam

allen
08. 04. 2008
0 views

allen

Fry 2005
10. 04. 2008
0 views

Fry 2005

ValueofNonpartisan
14. 04. 2008
0 views

ValueofNonpartisan

lovelock12
16. 04. 2008
0 views

lovelock12

Pumpkin SmallSat 2006
17. 04. 2008
0 views

Pumpkin SmallSat 2006

CSAM DOJ Briefing Day2
22. 04. 2008
0 views

CSAM DOJ Briefing Day2

SOUTHEAST pp
03. 01. 2008
0 views

SOUTHEAST pp

Arbetslagsplan 04 05
02. 11. 2007
0 views

Arbetslagsplan 04 05

dentist
06. 05. 2008
0 views

dentist

critical care slides
07. 05. 2008
0 views

critical care slides

origins
08. 05. 2008
0 views

origins

mas info
08. 05. 2008
0 views

mas info

18 4
22. 10. 2007
0 views

18 4

Vulvodynia
01. 05. 2008
0 views

Vulvodynia

014 Robot Control Architectures
02. 05. 2008
0 views

014 Robot Control Architectures

3678s1 03 schechter
02. 05. 2008
0 views

3678s1 03 schechter

Dana Guerrieri
02. 05. 2008
0 views

Dana Guerrieri

Anestezja
02. 05. 2008
0 views

Anestezja

lezersp1
15. 10. 2007
0 views

lezersp1

20050928 Yasuyuki Fuchita
09. 10. 2007
0 views

20050928 Yasuyuki Fuchita

S Pathi
16. 10. 2007
0 views

S Pathi

Thompson Adjusted
30. 04. 2008
0 views

Thompson Adjusted

Poretti dscut Gdor CW8
15. 11. 2007
0 views

Poretti dscut Gdor CW8

2002 04 maintenance
19. 11. 2007
0 views

2002 04 maintenance

N1 Richard News from ELAN Paris
29. 09. 2007
0 views

N1 Richard News from ELAN Paris

cal20050303
09. 10. 2007
0 views

cal20050303

2007 FL GHC ICC Tezak Kilcollins
05. 10. 2007
0 views

2007 FL GHC ICC Tezak Kilcollins

TUD About the institution
18. 03. 2008
0 views

TUD About the institution

iPOP2007 OIF Berthold
09. 10. 2007
0 views

iPOP2007 OIF Berthold

patricia arsene
15. 10. 2007
0 views

patricia arsene

IHS 2003
27. 03. 2008
0 views

IHS 2003

MOTIVATE 1 slides
29. 10. 2007
0 views

MOTIVATE 1 slides

Alia2003
05. 10. 2007
0 views

Alia2003

RE SUNUM ppt2
23. 11. 2007
0 views

RE SUNUM ppt2

grid2000 welcome
17. 10. 2007
0 views

grid2000 welcome

Larry
07. 01. 2008
0 views

Larry

Abel
25. 10. 2007
0 views

Abel

Weitz Tracy 1 24 07
03. 01. 2008
0 views

Weitz Tracy 1 24 07

del rel
07. 11. 2007
0 views

del rel

ilc analyse
23. 10. 2007
0 views

ilc analyse

CAS 07 MDHS
02. 05. 2008
0 views

CAS 07 MDHS