pneumonia

Information about pneumonia

Published on December 28, 2007

Author: Yuan

Source: authorstream.com

Content

CURSO DE SAÚDE DO IDOSO:  Tiago Christovam CURSO DE SAÚDE DO IDOSO GERIATRIA e GERONTOLOGIA Slide2:  PNEUMONIA Introdução:  Introdução PAC (Pneumonia Adquirida na Comunidade) é aquela que acomete o paciente fora do ambiente hospitalar ou que surge nas primeiras 48 horas da admissão Introdução:  Introdução Introdução:  Introdução Os dados aqui apresentados referem-se à parcela de pacientes atendidos pelo SUS (cerca de 80% da população) Não se dispõe, no Brasil, de dados estatísticos referentes à PAC tratada em regime ambulatorial Introdução:  Introdução PAC é uma causa comum de morbidade. Incidência mundial de 12 casos por 1.000 indivíduos por ano Extrapolando-se para o Brasil, teríamos 1.920.000 casos por ano Introdução:  Introdução No restante do mundo, aproximadamente 80% dos casos são tratados em ambulatório Metade dos pacientes no Brasil está sendo conduzida em regime hospitalar, resultando em maior gasto dos recursos destinados à saúde pública MORTALIDADE:  MORTALIDADE Primeira causa de morte entre as doenças respiratórias Quarto lugar na mortalidade geral entre os adultos, abstraindo-se as causas externas. 26.394 óbitos no ano de 1996 (DATASUS). ANATOMIA:  ANATOMIA ANATOMIA:  ANATOMIA ANATOMIA:  ANATOMIA ANATOMIA:  ANATOMIA Diagnóstico:  Diagnóstico O diagnóstico definitivo das PAC baseia-se na identificação do agente etiológico em espécimes, tais como: sangue; aspirado pulmonar, obtido diretamente do foco de doença; líquido pleural; fragmento de pulmão; e, ainda, em métodos imunológicos ou de biologia molecular. Diagnóstico:  Diagnóstico Comuns os erros de diagnóstico Grande diversidade no manejo das pneumonias em pacientes atendidos em pronto-socorros Dificuldade na diferenciação da PAC, de outras infecções das vias aéreas, devido à inespecificidade dos indicadores clínicos – sinais e sintomas e à subutilização ou dificuldade de interpretação dos achados radiológicos Diagnóstico:  Diagnóstico Radiografia do tórax - padrão de referência para o diagnóstico de pneumonia História do paciente e achados de exame físico - diagnosticar ou excluir a sua presença Achados clínicos que aumentam a probabilidade de pneumonia:  Achados clínicos que aumentam a probabilidade de pneumonia Temperatura maior ou igual a 37,8ºC Freqüência respiratória > 25irpm Presença de expectoração Freqüência cardíaca > 100bpm Estertores Diminuição dos sons respiratórios, mialgia e sudorese noturna O encontro de um ou mais destes achados é insuficiente para o diagnóstico Quadro Clássico:  Quadro Clássico Início súbito de febre Calafrio Dor torácica ventilatório-dependente Tosse com expectoração purulenta ou piossanguinolenta Cefaléia, astenia e anorexia Ao exame físico, podem ser identificados os sinais de consolidação pulmonar IDOSO:  IDOSO Forma clássica de apresentação não é a mais freqüente A febre pode estar ausente em 20% dos casos sobretudo nos pacientes idosos Costumam se apresentar com queda do estado geral, por vezes, com desorientação ou piora de uma condição subjacente, como insuficiência cardíaca IDOSO:  IDOSO Um aumento da freqüência respiratória, acima de 24cpm, muitas vezes como um dado isolado, tem sido observado em 45 a 70% dos pacientes Sinal mais sensível no idoso Taquicardia também é comum Estertores costumam estar presentes Evidências de consolidação são observadas em apenas 1/3 dos casos IDOSO:  IDOSO As pneumonias nos idosos são de mais difícil identificação Em geral, são mais graves e permitem maior númerode possibilidades diagnósticas alternativas, do que as dos jovens IDOSO:  IDOSO PAC é mais grave pela Maior freqüência com que acomete hospedeiros com algum grau de desnutrição Freqüente associação a comorbidades diversas Manifestações clínicas menos expressivas, como febre, tosse produtiva, dor torácica e dispnéia Fatores que resultam em retardo à procura de assistência médica PNEUMONIA ASPIRATIVA:  PNEUMONIA ASPIRATIVA Caracteriza pela associação a condições clínicas predisponentes: permanência prolongada no leito diminuição do nível de consciência distúrbio da deglutição comprometimento do reflexo glótico ou da tosse doenças esofágicas iatrogenias PNEUMONIA ASPIRATIVA:  PNEUMONIA ASPIRATIVA Manifesta-se radiologicamente atendendo a uma distribuição gravitacional Predomina no pulmão direito, pelas características anatômicas da árvore brônquica Os patógenos anaeróbios são a etiologia usual Considerando-se a participação de germes que produzem necrose, é comum a presença de cavitação Radiografia:  Radiografia Imprescindível no manejo das pneumonias, Elemento diagnóstico Avaliação da extensão do comprometimento pulmonar e de sua gravidade Identificação de complicações Monitorização da evolução Resposta ao tratamento Típicas X Atípicas:  Típicas X Atípicas PNEUMONIA TÍPICA :  PNEUMONIA TÍPICA Tem como padrão a pneumonia pneumocócica, Manifestando-se por infecção da via aérea superior, seguida de: febre alta calafrio dor pleurítica tosse com expectoração purulenta ou ferruginosa sinais de toxemia PNEUMONIA ATÍPICA :  PNEUMONIA ATÍPICA Tem como padrão a pneumonia por micoplasma Caracterizada por uma apresentação subaguda com: Tosse não-produtiva Cefaléia Mialgia Diarréia Sintomas de vias aéreas TÍPICA X ATÍPICA:  TÍPICA X ATÍPICA Expressão clínica – preditor acurado da causa microbiológica Pode diferenciar a pneumonia bacteriana convencional, evidenciada pela síndrome “típica”, da pneumonia causada por patógenos atípicos, manifestada pela síndrome “atípica” Implicações na seleção dos agentes antimicrobianos para o tratamento empírico TÍPICA X ATÍPICA:  TÍPICA X ATÍPICA Aperfeiçoamento das técnicas de diagnóstico etiológico e melhor compreensão dos fatores que afetam a expressão clínica, a síndrome da pneumonia atípica perdeu suporte Expressão clínica da doença é determinada pelo estado funcional e imunológico do paciente, e não decorre exclusivamente do patógeno Etiologia:  Etiologia Diagnóstico:  Diagnóstico Único método definitivo para o diagnóstico etiológico da PAC requer o isolamento da bactéria no sangue, líquido de empiema pleural ou em material obtido por punção ou biópsia pulmonar Diagnóstico:  Diagnóstico Não há estudos randomizados que demonstrem que a comprovação da etiologia da PAC, independente do nível de gravidade, resulte em menor mortalidade, quando comparada com a evolução dos pacientes com antibioticoterapia empírica adequada instituída precocemente no curso da infecção Diagnóstico:  Diagnóstico Tratamento dirigido implicaria menor ônus menos toxicidade potencial de reduzir a indução de resistência bacteriana. Todavia, a realização de testes não deve retardar o início do tratamento Exames:  Exames Radiografias do tórax - todos os pacientes Pacientes candidatos ao tratamento hospitalar: hemograma glicose uréia creatinina bioquímica do fígado eletrólitos Exames:  Exames Gasometria arterial - saturação de O2 estiver abaixo de 92% Antes do início da antibioticoterapia - duas amostras para hemoculturas Amostra de escarro - exame direto e cultura Exames:  Exames Testes diagnósticos devem ser reservados para pacientes internados Em pacientes avaliados e tratados em regime ambulatorial, o pobre rendimento dos métodos com capacidade diagnóstica imediata e o baixo risco de insucesso com a terapêutica empírica justificam sua não-adoção de rotina Classificação de risco:  Classificação de risco Classificação de risco:  Classificação de risco Classificação de risco:  Classificação de risco Classificação de risco:  Classificação de risco Algoritmo deve ser entendido como um complemento à decisão médica Outros fatores, além do risco de mortalidade e de evolução desfavorável, devem ser incorporados à análise de decisão, considerando-se a presumível e necessária adesão do paciente ao tratamento: Fator social: se há ou não um mínimo de suporte domiciliar, capaz de atender às necessidades básicas para o tratamento Classificação de risco:  Classificação de risco Fator cognitivo: se o paciente está convicto da natureza de sua enfermidade, do esquema posológico prescrito, e da necessidade de usar a medicação até a conclusão do tratamento Fator financeiro: referente ao custo relacionado à aquisição da medicação Classificação de risco:  Classificação de risco Desenvolvido como um modelo preditor de mortalidade e não como método de triagem de pacientes com PAC Fornece as bases racionais para a decisão quanto ao local mais indicado para o tratamento, permitindo, com eficácia e segurança, reduzir o custo do tratamento, que é determinado grandemente pela internação ou não TRATAMENTO ESPECÍFICO:  TRATAMENTO ESPECÍFICO S. pneumoniae Sensível - Amoxicilina, cefalosporinas ou macrolídeo Resistência intermediária - Amoxicilina 500mg 3x/dia ou cefuroxima 500mg 2x/dia Altamente resistente - Cefotaxima 1g IV cada 8h, cefotriaxona 1g IV cada 24h, penicilina G 2 milhões a cada 4 horas ou fluoroquinolona respiratória* TRATAMENTO ESPECÍFICO:  TRATAMENTO ESPECÍFICO H. influenzae Cefalosporinas 3ª G ou 4ª G, ou betalactâmico/ inibidor de betalactamase M. pneumoniae Macrolídeo ou doxiciclina C. pneumoniae Macrolídeo ou doxiciclina TRATAMENTO ESPECÍFICO:  TRATAMENTO ESPECÍFICO Legionella Macrolídeo ± rifampicina ou fluoroquinolona S. aureus Sensíveis à oxacilina - Oxacilina Resistentes à oxacilina - Vancomicina TRATAMENTO ESPECÍFICO:  TRATAMENTO ESPECÍFICO Bacilos entéricos gram- negativos Cefalosporina de 3ª ou 4ª G ± amino-glicosídeo ou fluorquinolona Pseudomonas aeruginosa Ciprofloxacina ou aminoglicosídeo + betalactâmico antipseudomonas Anaeróbios Betalactâmico/inibidor de betalactamase ou clindamicina Seleção de antibióticos para tratamento empírico de PAC:  Seleção de antibióticos para tratamento empírico de PAC Não-internados:  Não-internados Opções: macrolídeo, fluoroquinolona antipneumocócica, betalactâmico Fluoroquinolonas devem ser reservadas para pacientes com comorbidades e idosos Não-internados:  Não-internados Amoxicilina (e outros betalactâmicos) é menos efetiva do que macrolídeos e fluoroquinolonas (uma falha a mais em cada 12 doentes tratados), mas é opção de menor custo Penicilina procaína tem espectro estreito, é injetável e mais cara do que amoxicilina (considerar o custo das seringas e da aplicação), e não é recomendada Não-internados:  Cefalexina e cefaclor não devem ser usadas Se a escolha recair em cefalosporinas orais, preferir cefuroxima, cefpodoxima ou cefprozil Pneumonia aspirativa: amoxicilina-clavulanato Não-internados Internados:  Enfermaria: fluoroquinolona antipneumocócica (isoladamente)ou betalactâmico (em geral ceftriaxona ou cefotaxima) associadoa macrolídeo Risco de pseudomonas (doença pulmonar estrutural com curso recente de antibiótico e/ou uso crônico de corticosteróide sistêmico), sobretudo em UTI: agente antipseudomonas (piperacilina ± tazobactam, carbapenem ou cefepima) + ciprofloxacina em dose alta Internados Internados:  Pneumonia aspirativa 1) fluoroquinolona e clindamicina ou metronidazol; ou 2) betalactâmico com inibidor de betalactamase Internados Indicações para o uso da vacina antiinfluenza:  Indicações para o uso da vacina antiinfluenza 1. Idade igual ou superior a 60 anos 2. Doenças crônicas Doença pulmonar Doença cardíaca Diabetes mellitus Disfunção renal Doença hepática Doenças neurológicas Shunt do fluido cérebro-espinhal Indicações para o uso da vacina antiinfluenza:  3. Imunossupressão Infecção por HIV Terapia imunossupressora (inclusive corticóides) Pós-transplante de órgãos (inclusive de medula óssea) Neoplasma maligno (inclusive hematogênico) Alcoolismo Disfunção esplênica ou asplenia (inclusive anemia falciforme) Indicações para o uso da vacina antiinfluenza Indicações para o uso da vacina antipneumocócica:  Indicações para o uso da vacina antipneumocócica Graus de risco em ordem decrescente Grupo 1 doença de Hodgkin, mieloma múltiplo, deficiência de imunoglobulina, lúpus eritematoso sistêmico, deficiência imunológica induzida por drogas, transplante renal, doença maligna hematológica, carcinoma, infecção por HIV e AIDS Grupo 2 esplenectomia ou disfunção esplênica, anemia falciforme, síndrome nefrótica Indicações para o uso da vacina antipneumocócica:  Indicações para o uso da vacina antipneumocócica Grupo 3 diabetes mellitus, doença pulmonar crônica, doença cardíaca crônica, insuficiência renal crônica requerendo diálise, cirrose hepática, alcoolismo Grupo 4 idosos (60 anos ou mais) OBRIGADO:  OBRIGADO

Related presentations


Other presentations created by Yuan

ISPS Code Final
05. 11. 2007
0 views

ISPS Code Final

6 Flexural Component Design
04. 01. 2008
0 views

6 Flexural Component Design

ABAPresentation
13. 04. 2008
0 views

ABAPresentation

eBDSinGMS
27. 03. 2008
0 views

eBDSinGMS

NM
14. 03. 2008
0 views

NM

market forces
24. 02. 2008
0 views

market forces

VesnaDamnjanovic
20. 02. 2008
0 views

VesnaDamnjanovic

Meeting1
07. 01. 2008
0 views

Meeting1

Age of Limits
07. 01. 2008
0 views

Age of Limits

Deviance
04. 01. 2008
0 views

Deviance

ijcai distinguished 01
27. 09. 2007
0 views

ijcai distinguished 01

sunum VS2008
28. 11. 2007
0 views

sunum VS2008

Stamatakis18 3 04
29. 11. 2007
0 views

Stamatakis18 3 04

cam
04. 12. 2007
0 views

cam

KfW short
24. 10. 2007
0 views

KfW short

Hist12 f Mussolini
31. 10. 2007
0 views

Hist12 f Mussolini

kanwar presentation
02. 11. 2007
0 views

kanwar presentation

IT SAPSD Performance
06. 11. 2007
0 views

IT SAPSD Performance

SpadaPlanck07 ThePhysicsAMS 02
29. 10. 2007
0 views

SpadaPlanck07 ThePhysicsAMS 02

shiphandling
07. 11. 2007
0 views

shiphandling

newslink volkswagen case study
16. 11. 2007
0 views

newslink volkswagen case study

LBL SC Seminar
20. 11. 2007
0 views

LBL SC Seminar

The Divine Flute Vamshinew
22. 11. 2007
0 views

The Divine Flute Vamshinew

MACEDONIA Brussels June 2007
23. 11. 2007
0 views

MACEDONIA Brussels June 2007

5 MotionDance1
23. 11. 2007
0 views

5 MotionDance1

Adjective Clauses
29. 12. 2007
0 views

Adjective Clauses

GBB Victoria
29. 10. 2007
0 views

GBB Victoria

2002aahe sotlbridges
01. 01. 2008
0 views

2002aahe sotlbridges

PresentationKaycaCot ton
15. 11. 2007
0 views

PresentationKaycaCot ton

IRSIS
07. 11. 2007
0 views

IRSIS

Dempsey Diane
06. 11. 2007
0 views

Dempsey Diane

Tana Jan07
31. 12. 2007
0 views

Tana Jan07

PPT 29
04. 10. 2007
0 views

PPT 29

umcineurasia
26. 10. 2007
0 views

umcineurasia

Jatoi
03. 01. 2008
0 views

Jatoi

B01HumEco2004
24. 10. 2007
0 views

B01HumEco2004

Predator prey interactions
30. 12. 2007
0 views

Predator prey interactions

Ullman Impact
28. 11. 2007
0 views

Ullman Impact

slides 1 28 05
28. 12. 2007
0 views

slides 1 28 05

RockMinerals 2008SHOW
06. 12. 2007
0 views

RockMinerals 2008SHOW

Floriculture and Floral Design
11. 12. 2007
0 views

Floriculture and Floral Design

atv driptorch
12. 11. 2007
0 views

atv driptorch

TUNISIA
31. 10. 2007
0 views

TUNISIA

DePaoloERSP40406
08. 11. 2007
0 views

DePaoloERSP40406

DixonMonBatchProcess Vents
06. 11. 2007
0 views

DixonMonBatchProcess Vents

NintendoForwardChain ing
24. 12. 2007
0 views

NintendoForwardChain ing

Ozturk tsaps Oct6
01. 11. 2007
0 views

Ozturk tsaps Oct6

NZ Beech Forest
02. 01. 2008
0 views

NZ Beech Forest

Portugal project Tyler
26. 11. 2007
0 views

Portugal project Tyler

DO Lect6
19. 11. 2007
0 views

DO Lect6

Ch 20 powerpoint
03. 10. 2007
0 views

Ch 20 powerpoint

session23 lowenthal
30. 11. 2007
0 views

session23 lowenthal

the flowers of bermuda
14. 12. 2007
0 views

the flowers of bermuda

sw week april06
29. 10. 2007
0 views

sw week april06