sca02

Information about sca02

Published on December 29, 2007

Author: Justine

Source: authorstream.com

Content

PNEUMONIA NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA:  PNEUMONIA NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA O que é? Por que é importante? Como reconhecer? Como conduzir? O QUE É?:  O QUE É? Infecção do parênquima pulmonar, comprometendo brônquios, bronquíolos, alvéolos e interstício. ETIOLOGIA:  ETIOLOGIA Depende: Idade Local: Países desenvolvidos x em desenvolvimento Origem: Comunitária x hospitalar Forma de apresentação clínica: Típica x Atípica Existência de fatores de risco. ETIOLOGIA:  ETIOLOGIA A idade é o melhor preditor da etiologia Dois primeiros anos de vida, os VÍRUS são os agentes mais freqüentes. Com o aumento da idade, as BACTÉRIAS tornam-se mais prevalentes. Pneumonia de origem comunitária, em países em desenvolvimento, evidenciaram a presença de bactérias em torno de 50 a 60%. ETIOLOGIA:  ETIOLOGIA RN: Gram negativos, Streptococcus do grupo B e Staphylococcus aureus. 1m - 5 anos: Vírus, Pneumococo, Hemófilos e S. aureus SPAL (1-3 meses): Vírus, Clamídia e B. pertussis > 5 anos: Pneumococo e Mycoplasma Formas de apresentação: Pneumonias Típicas e Atípicas:  Formas de apresentação: Pneumonias Típicas e Atípicas TÍPICA: febre alta, prostração, evolução rápida e alterações radiológicas evidentes. S. pneumoniae e Haemophilus influenza. Formas graves: S. aureus ATÍPICA: evolução arrastada, com ou sem febre, menor comprometimento do estado geral, tosse seca importante e dissociação clínico-radiológica. Vírus, Mycoplasma e Clamídias. POR QUE É IMPORTANTE? :  POR QUE É IMPORTANTE? Principal causa de morte na infância, nos países em desenvolvimento. Nesses países, a letalidade é sete vezes maior e pode ser atribuída a diversos fatores, entre eles: dificuldades de acesso aos serviços de saúde uso inadequado de antimicrobianos. No Brasil, as taxas de mortalidade infantil por pneumonia variam conforme a região, sendo mais elevadas no Norte e Nordeste e mais baixas no Sul PREVENÇÃO:  PREVENÇÃO A assistência pré-natal, o estímulo ao aleitamento materno, a vacinação, o controle nutricional e a padronização de condutas e esquemas terapêuticos para doenças respiratórias agudas têm sido apontados como medidas eficazes na redução da morbi-mortalidade por pneumonia. COMO RECONHECER?:  COMO RECONHECER? História clínica Exame físico Radiografia de tórax Quando persistirem dúvidas, podem ser realizados exames laboratoriais que auxiliem no diagnóstico diferencial. Diagnóstico de pneumonia em crianças de até 4 anos, segundo a OMS:  Diagnóstico de pneumonia em crianças de até 4 anos, segundo a OMS Presença de tosse e/ou dificuldade respiratória  SUSPEITAR DE PNEUMONIA Com taquipnéia  CONSIDERAR COMO PNEUMONIA Com tiragem  CONSIDERAR PNEUMONIA GRAVE Slide11:  Diagnóstico de pneumonia em crianças de até 4 anos, segundo a OMS Visa aumentar a sensibilidade dos critérios diagnósticos. Elevada freqüência de subdiagnóstico e suas trágicas implicações em termos de morbimortalidade infantil. Limitações da assistência médica existente em determinadas regiões. Seguindo-se essa recomendação, provavelmente o número de casos de pneumonia que ficarão sem diagnóstico será bastante reduzido, mesmo que às custas do tratamento de “falsas” pneumonias. Porém: o uso indiscriminado de ATB apresenta sérias conseqüências - emergência de resistência. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS:  MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Sinais de IVAS, febre, tosse, dispnéia, gemência, prostração e hiporexia. Dor abdominal pode ser sintoma de pneumonia. TAQUIPNÉIA é o sinal isolado mais sensível para para o diagnóstico de pneumonia em crianças menores de 5 anos (sens. 75%; espec. 70%) avaliada com a criança afebril, tranqüila, contada durante 1 minuto, de preferência por duas vezes Valores de referência: < 2 meses............................ FR > ou = 60 ipm 3 meses a 12 meses ......... FR > ou = 50 ipm 13 meses a 5 anos ............ FR > ou = 40 ipm > 6 anos ............................... FR > ou = 30 ipm MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS:  MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Sinais de dificuldade respiratória: tiragem intercostal, batimentos de aletas nasais, gemência, balanço toracoabdominal e retração xifóidea. Lactentes têm maior risco de desenvolver insuficiência respiratória e apnéia. Sinais de gravidade: Tiragens, cianose e/ou toxemia Pode haver hipoxemia sem cianose. Palidez cutânea é um sinal mais precoce de hipoxemia do que a cianose. Ausculta: Crepitação não é sinônimo de pneumonia. Sibilância sugere fortemente etiologia viral ou asma. Pode ser normal em até 30% dos casos. Redução do murmúrio vesicular localizada é um dos achados mais freqüentes. Características clínicas que sugerem o agente infeccioso:  Características clínicas que sugerem o agente infeccioso HEMÓFILO: evolução arrastada, associado à otite e sinusite. ESTAFILOCOCO: início agudo, com febre alta e persistente, toxemia, anemia, presença de impetigo ou abscesso, processo pneumônico extenso com complicações mais freqüentes (pneumatoceles, abscesso e derrame). MYCOPLASMA: tosse importante, acometendo vários indivíduos na mesma família, quadro arrastado, acompanhado de cefaléia, miringite bolhosa, exantema. VÍRUS: exantema, conjuntivite, faringite, mialgia e acometimento de outras pessoas na família. CHLAMYDIA TRACHOMATIS: síndrome da pneumonia afebril do lactente (idade entre 1 e 3 meses), tosse importante (pode ser paroxística), com história perinatal de vulvovaginite materna, parto normal, conjuntivite neonatal e eosinofilia no sangue periférico RADIOGRAFIA DE TÓRAX:  RADIOGRAFIA DE TÓRAX PA e perfil Permitir diagnóstico mais acurado de pneumonia Avaliar a extensão do processo pneumônico Mostrar presença de complicações (pneumatoceles, derrame, abscesso) Orientar o diagnóstico diferencial Contribuir na decisão de internar ou não o paciente e na escolha do antimicrobiano. Padrões radiológicos principais nas pneumonias:  Padrões radiológicos principais nas pneumonias Padrão intersticial: espessamento peribrônquico e infiltrado intersticial difuso, hiperinsuflação, mais sugestivo de infecção viral (ou asma). Padrão alveolar: condensações lobares ou segmentares, especialmente quando associado a pneumatoceles, derrame ou abscesso, sugere fortemente etiologia bacteriana. Controle radiológico do tratamento: nos casos complicados, com evolução desfavorável, e nas pneumonias de repetição. EXAMES LABORATORIAIS:  EXAMES LABORATORIAIS Leucograma e proteína C reativa: diagnóstico diferencial entre pneumonias virais e bacterianas. Títulos de crioaglutinina maiores que 1:64 reforçam o diagnóstico de pneumonia por Mycoplasma (sensibilidade 70%). Eleva na segunda semana de evolução da doença. A realização de sorologia (IgM) é possível para o diagnóstico de infecção por micoplasma e clamídia, mas nem sempre disponível. COMO CONDUZIR?:  COMO CONDUZIR? Após estabelecido o diagnóstico de pneumonia, três perguntas devem ser respondidas: EXISTE INDICAÇÃO DE INTERNAÇÃO? É NECESSÁRIO UTILIZAR ANTIBIÓTICO? QUAL O ANTIBIÓTICO A SER USADO? 1 - Existe Indicação de Internação? :  1 - Existe Indicação de Internação? A maioria das crianças com pneumonia pode ser tratada ambulatorialmente, com acompanhamento criterioso. Cerca de 10% dos pacientes requerem internação hospitalar. Indicações de Internação:  Indicações de Internação Idade inferior a 6 meses (principalmente < 2 meses); RX: pneumonia extensa, pneumatoceles, pneumotórax, derrame pleural, abscesso; Condições associadas: cardiopatia, mucoviscidose, displasia broncopulmonar, imunodeficiência, desnutrição grave; Situação social seriamente comprometida; Presença ao exame clínico de: dificuldade respiratória importante cianose, hipoxemia; irregularidade respiratória, apnéia; dificuldade de alimentar, vômitos, desidratação; alterações do sensório (confusão mental, irritab.); instabilidade hemodinâmica (pulsos finos, perfusão lenta), taquicardia importante (FC>130 bpm); Falha tratamento ambulatorial. 2 - É Necessário Utilizar Antibiótico? Diagnóstico diferencial entre quadros virais e bacterianos:  2 - É Necessário Utilizar Antibiótico? Diagnóstico diferencial entre quadros virais e bacterianos 3 - Qual o Antibiótico a ser usado?:  3 - Qual o Antibiótico a ser usado? *usa-se penicilina benzatina, em dose única, para crianças com três anos ou mais com pneumonia unilobar, sem complicações. Reavaliação e conduta na consulta de retorno:  Reavaliação e conduta na consulta de retorno Todas as crianças devem ser reavaliadas após 48 horas para observação da resposta ao tratamento. Deve-se atentar para sinais de complicações como derrame pleural, insuficiência respiratória, entre outras indicações de internação. Os critérios para se avaliar a resposta clínica inicial baseiam-se no estado geral da criança, curva térmica e exame do aparelho respiratório. É esperado que a criança esteja afebril em até 72 horas, dependendo do agente etiológico. As mães devem ser orientadas quanto à necessidade de observar a criança e retornar no caso de evolução desfavorável. Reavaliação e conduta na consulta de retorno (48 horas depois):  Reavaliação e conduta na consulta de retorno (48 horas depois) Slide25:  TOSSE E/OU DIFICULDADE DE RESPIRAR AVALIAR FREQUENCIA RESPIRATÓRIA NORMAL AUMENTADA HISTÓRIA BRONCOESPASMO? SIBILÂNCIA? EXP. PROLONGADA? SIM AVALIAR ASMA PNEUMONIA É POUCO PROVAVEL PROVÁVEL PNEUMONIA AVALIAR OUTROS SINAIS E/OU RADIOGRAFIA TÓRAX Orientação e reavaliação É PNEUMONIA NÃO É PNEUMONIA Slide26:  EXISTE INDICACÃO DE INTERNAÇÃO? SIM NÃO QUAL A APRESENTAÇÃO CLÍNICO-RADIOLÓGICA? ATIPICA TIPICA VIRUS MICOPLASMA / CLAMÍDIA BACTERIANA ANTIBIOTICOTERAPIA DE ACORDO COM A FAIXA ETÁRIA Orientação e REAVALIAÇÃO APÓS 24-48 HORAS MACROLÍDEO É PNEUMONIA HIDRATAR/AVALIAR OXIGÊNIOTERAPIA Referir à unidade de internação Observar cond. de transporte Caso 1 - Tiago, 3 anos, com relato de febre, tosse e dificuldade respiratória há 3 dias:  Caso 1 - Tiago, 3 anos, com relato de febre, tosse e dificuldade respiratória há 3 dias Exame físico: Corado, hidratado, acianótico. Otoscopia – MTD abaulada. FR = 50ipm. Esforco leve. Som bronquial com brocofonia no ápice HtxD. Rx tórax Conduta: Internar? Antibiótico? Qual? Reavaliação Piora: mantem febre, prostração, vômitos Gemência, tiragens, palidez. MV diminuído no htxD.Fígado palpável. É pneumonia? Qual apresentação clínica? E AGORA? Caso 2 - Tatiana, 7 anos, com relato de febre, tosse importante e dificuldade respiratória há 7 dias. Usou amoxicilina para sinusite, sem melhora. Irmão de 4 anos também tossindo.:  Caso 2 - Tatiana, 7 anos, com relato de febre, tosse importante e dificuldade respiratória há 7 dias. Usou amoxicilina para sinusite, sem melhora. Irmão de 4 anos também tossindo. Exame físico: Corado, hidratado, acianótico. FR = 32 ipm. Esforço leve MVF com crepitações finas difusas mais intensa nas bases. Rx tórax Conduta: Internar? Antibiótico? Qual? Reavaliação Qual a apresentação clínica? É pneumonia? Slide29:  Caso 3: Gustavo, 11 meses, há 5 dias com febre, tosse, cansaço e chieira. Coriza hialina. Sem HP de chieira. Exame físico: estado geral relativamente preservado, acianótico. FR: 52 ipm. Esforço leve. MVF simétrico, com sibilos, roncos e crepitações móveis Rx tórax Conduta: Internar? Antibiótico? O que mais? Reavaliação Quais as hipóteses diagnósticas? É pneumonia? Causas de pneumonias ou pseudopneumonias de repetição ou que não respondem ao tratamento Crianças com pneumonias de repetição ou que não respondem ao tratamento habitual - investigar a possibilidade de uma doença de base e/ou outro diagnóstico diferencial. UMA DAS CAUSAS MAIS COMUNS DE FALSAS PNEUMONIAS DE REPETIÇÃO EM NOSSO MEIO É A ASMA, SUBDIAGNOSTICADA E SUBTRATADA. :  Causas de pneumonias ou pseudopneumonias de repetição ou que não respondem ao tratamento Crianças com pneumonias de repetição ou que não respondem ao tratamento habitual - investigar a possibilidade de uma doença de base e/ou outro diagnóstico diferencial. UMA DAS CAUSAS MAIS COMUNS DE FALSAS PNEUMONIAS DE REPETIÇÃO EM NOSSO MEIO É A ASMA, SUBDIAGNOSTICADA E SUBTRATADA. Doses de antibióticos usados no tratamento das pneumonias :  Doses de antibióticos usados no tratamento das pneumonias

Related presentations


Other presentations created by Justine

Flex PLM 2004
27. 11. 2007
0 views

Flex PLM 2004

osa slides 041215
28. 11. 2007
0 views

osa slides 041215

ps ria
01. 12. 2007
0 views

ps ria

344
10. 12. 2007
0 views

344

Understanding Islam
05. 11. 2007
0 views

Understanding Islam

halloween 4
05. 11. 2007
0 views

halloween 4

catering
05. 11. 2007
0 views

catering

schwarz
15. 11. 2007
0 views

schwarz

DKGRAN02
16. 11. 2007
0 views

DKGRAN02

linux firewall
26. 11. 2007
0 views

linux firewall

NeSS02 neutrinos
06. 12. 2007
0 views

NeSS02 neutrinos

506 EMF Concerns
18. 12. 2007
0 views

506 EMF Concerns

thebusinesscase
28. 11. 2007
0 views

thebusinesscase

Security Openess
25. 12. 2007
0 views

Security Openess

MPH 2005
29. 12. 2007
0 views

MPH 2005

bsc201 week09
01. 01. 2008
0 views

bsc201 week09

robot cwe
02. 01. 2008
0 views

robot cwe

Cotton
07. 01. 2008
0 views

Cotton

Energy in the Cell
07. 01. 2008
0 views

Energy in the Cell

SleepDisorders
29. 11. 2007
0 views

SleepDisorders

HydrothermalVentsand OilPlumes
09. 10. 2007
0 views

HydrothermalVentsand OilPlumes

CCH20AgFor
31. 12. 2007
0 views

CCH20AgFor

CS202Last2006Grokste rDMCA
26. 02. 2008
0 views

CS202Last2006Grokste rDMCA

General Marshall revised
28. 02. 2008
0 views

General Marshall revised

apr11 ticoll
11. 03. 2008
0 views

apr11 ticoll

wc game
12. 03. 2008
0 views

wc game

AAIupdateJan06
14. 03. 2008
0 views

AAIupdateJan06

Yr7GermanAssign
18. 03. 2008
0 views

Yr7GermanAssign

Art Millet
01. 10. 2007
0 views

Art Millet

TEFinal3
30. 03. 2008
0 views

TEFinal3

U S Economic History
13. 04. 2008
0 views

U S Economic History

apco presentation 2
02. 11. 2007
0 views

apco presentation 2

Yu sdm 2006 ft
21. 11. 2007
0 views

Yu sdm 2006 ft

78
05. 12. 2007
0 views

78

holiday safety tips
29. 11. 2007
0 views

holiday safety tips

NOFA 5 MAR 05
27. 12. 2007
0 views

NOFA 5 MAR 05

module2
07. 01. 2008
0 views

module2

cryptographie camp
05. 01. 2008
0 views

cryptographie camp

Bell 1
08. 11. 2007
0 views

Bell 1

ASegal
28. 12. 2007
0 views

ASegal

RTH Beijing
27. 09. 2007
0 views

RTH Beijing

Sturgeon
07. 01. 2008
0 views

Sturgeon

Recommenders HCC01
23. 12. 2007
0 views

Recommenders HCC01